Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 11

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por uma testemunha

Tipo de evento: Acidente

Mês e ano: Julho  2011
Parte do dia:
Local: Rio de Janeiro - RJ/Lance de escalada do Costão do Pão de Açúcar.
Número total de pessoas envolvidas: 1
Número fatalidades: 1

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Subindo (inclui guiando, segundo ou cordas fixas)

Condições atmosféricas no momento: Parcialmente nublado

Causa(s) imediata(s):
Queda
Comportamento de risco

Causa(s) contribuinte(s):
Escalando desencordoado
Escalando sozinho
Sem proteção ou com proteção inadequada

Tipo(s) de ferimento(s):
Fatalidade

Nível de experiência dos envolvidos:
Desconhecido

Relato:
Nota CBME: depoimento da testemunha - identificadores editados pelo revisor]

Estava com mais quatro pessoas subindo o costão hoje na parte da tarde.
Um homem aparentando uns 30 ou 40 anos com roupa e tênis de corrida passou pela gente um pouco antes do lance de escalada.

Quando chegamos na base do lance ele já estava morto. Não vimos o acidente, mas dois de nós ouviram um barulho que provavelmente foi da queda. O corpo parou depois da queda do lado da trilha um pouco para baixo da base.

Eu estava na frente e fui o primeiro a encontrar o corpo. Não tinha respiração ou pulso. Ao que tudo indica ele morreu na queda. Chegamos no local às 14:45h, calculamos que ele caiu uns 5 ou 10 minutos antes da nossa chegada.

Chamamos o grupo de montanha do Corpo de Bombeiros e também contatamos [----], nosso amigo e também escalador, para dar uma força. Ele subiu com os bombeiros que confirmaram o óbito e o corpo foi levado de helicóptero.

Olhando a cena, o local onde encontramos o corpo e as manchas de sangue na rocha, eu e o [----] ficamos com a impressão (apesar de que obviamente não podemos ter certeza) de que ele caiu logo no começo da parte de escalada próximo do primeiro grampo.

Conforme os bombeiros verificaram, o homem não tinha nenhum documento. No bolso apenas um pouco de dinheiro e uma chave.

Meus agradecimentos aos homens do Corpo de Bombeiros que participaram da operação, ao [----] e outros escaladores que se mobilizaram na Praia Vermelha para subir se fosse necessário.

Análise (CBME):
Esse é um tipo de acidente causado por desinformação, muito difícil de ser evitado. Existem todos os tipos de pessoas no ambiente natural e é difícil se certificar que todos tenham acesso a informações específicas de cada via de escalada ou mesmo conhecimento geral do que é uma via de escalada e material necessário para a atividade. Isto se agrava quando áreas de escalada estão em áreas compartilhadas com turistas não-montanhistas que estão à procura de uma caminhada somente.
O lance inicial de algumas vias pode ser fácil e causar a impressão para excursionistas desinformados de que se tratam de lances simples de "escalaminhada", ou "trepa-pedras", podendo encorajá-los a iniciar a via sem equipamento.
Sinalização ao pé da via ou entrada de parque seria um último e desesperado recurso para se evitar mortes desse tipo, e mesmo assim não é garantido que será lida, como provavelmente teria sido nesse caso devido ao agravante da barreira de linguagem.
Recomendações (CBME):
1. Manter sinalização de advertência em áreas de escalada que tenham vias que possam porventura ser confundidas com lances simples de "escalaminhada", especialmente em áreas de grande fluxo de turistas não-montanhistas. Um exemplo de dizeres:
"Esta é uma via de ESCALADA!
É expressamente PROIBIDO subir sem equipamento de escalada."

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***