Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 119

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por um dos participantes

Tipo de evento: Incidente (quase acidente)

Mês e ano: Janeiro  2018
Parte do dia: Manhã
Local: Rio de janeiro - RJ/Via Preto no setor dos Coloridos
Número total de pessoas envolvidas: 2
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Sem movimento (inclui paradas de escalada em rocha)

Condições atmosféricas no momento: Nublado

Causa(s) imediata(s):
Falha humana ou desconhecimento de técnica

Causa(s) contribuinte(s):
Segurança inadequada

Tipo(s) de ferimento(s):
Psicológico

Nível de experiência dos envolvidos:
Pouca (menos de 1 ano)
Moderada (1 a 3 anos)

Relato:
A escaladora A, com pouca experiência, guiou a enfiada e montou a parada. Ela optou por dar segurança ao escalador B com o ATC no modo guide. Apesar de já ter utilizado o ATC nesse modo em outras ocasiões, ela o montou errado dessa vez, conectando o ATC à parada pela alça de cabo de aço do aparelho, e não pelo olhal maior, que seria o correto. Por sorte o escalador B não caiu durante a sua escalada. O escalador B notou o erro ao chegar à parada e alertou a escaladora A. A escalada continuou sem problemas.

Prevenção (opinião do relator):
Os escaladores inexperientes, quando deixam de ser exclusivamente participantes e se interessam por guiar, muitas vezes não tiveram a oportunidade de consolidar o uso do ATC no modo guide. Um treinamento específico em guiada, focando, entre outros, no uso do ATC no modo guide e na montagem de paradas, pode evitar esse tipo de situação.

O escalador B, mais experiente, poderia ter feito um briefing com a escaladora A sobre o uso correto do ATC no modo guide antes dela ter iniciado a guiada. Restando alguma dúvida, poderia recomendar-lhe utlizá-lo no modo "participante", com o ATC conectado ao loop do bouldrier e a corda redirecionada na parada, ou ainda que ela lançasse mão do UIAA.
Recomendações (CBME):
Para guiar não basta escalar bem e ser corajoso; para guiar é necessário conhecer profundamente as técnicas de segurança, bem como técnicas para montar uma parada, possível resgate de um participante e de si próprio (auto-resgate), além de instrução de primeiros socorros.
Caso o escalador perceba que seu curso básico foi deficiente nessas áreas, deve procurar um curso avançado que inclua esses tópicos.



*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***