Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 22

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por um dos participantes

Tipo de evento: Acidente

Mês e ano: Julho  2013
Parte do dia: Manhã
Local: São Bento do Sapucaí - SP/Parede face norte do Bauzinho
Número total de pessoas envolvidas: 2
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Subindo (inclui guiando, segundo ou cordas fixas)

Condições atmosféricas no momento: Sol

Causa(s) imediata(s):
Queda

Causa(s) contribuinte(s):
Agarra quebrou

Tipo(s) de ferimento(s):
Abrasão

Nível de experiência dos envolvidos:
Experiente (mais de 3 anos)

Relato:
Escalador A estava em via de 5º grau, a qual já havia guiado diversas vezes (via tradicional com proteções distantes). Ao puxar a corda para costurar a agarra de mão quebra e o escalador cai cerca de 8m de costas em um platô positivo logo abaixo. O impacto é fortíssimo porém amortecido pela mochila. O escalador bate violentamente a cabeça (usava capacete no momento da queda).

Após o impacto o escalador é novamente arremessado ao ar e girando bate uma segunda e terceira vez, desta vez de frente, até que a corda finalmente o segura após cair aproximadamente uns 15 metros.

Escalador B (segurador) apenas observa toda a cena porém não pode fazer nada a não ser esperar que a corda estique segurando a queda. A distância da última proteção era de aproximadamente 6m.

Escalador A quebra um dente, tem múltiplas escoriações nas pernas, ombros, braços, rosto, porém inexplicavelmente nenhuma fratura!

Com uma corda de 60 metros ainda na primeira de 4 enfiadas, o segurador consegue descer o escalador A até o solo.

Prevenção (opinião do relator):
Com uma maior consciência das consequências de uma queda naquelas condições, o escalador certeiramente teria escolhido uma melhor posição de costura, onde diversas outras agarras mais sólidas teriam sido uma melhor opção.
Análise (CBME):
Apesar de pouco poder ser feito para se evitar acidentes envolvendo quebra de agarras, nesse caso mais uma vez o uso de capacete minimizou as consequências de uma queda grave.
Recomendações (CBME):
Possuir sempre atualizado os conhecimentos e práticas de um TAR - Treinamento de um Auto-Resgate. Nesse caso foi possível descer o escalador A até a chão, mas se o cenário fosse outro, seria fundamental que o escalador B detivesse os conhecimentos (e tivesse os materiais mínimos) para ascender o escalador A ou chegar até ele.

Fica claro ainda a importância do uso do capacete, não apenas para o escalador que está guiando, mas também para quem está assegurando.

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***