Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 37

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por um dos participantes

Tipo de evento: Acidente

Mês e ano: Junho  2013
Parte do dia:
Local: Analândia - SP/Morro do Cuscuzeiro
Número total de pessoas envolvidas: 1
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Descendo (inclui rapel)

Condições atmosféricas no momento:

Causa(s) imediata(s):
Queda
Falha humana ou desconhecimento de técnica

Causa(s) contribuinte(s):
Sem capacete
Segurança inadequada
Erro de orientação
Sem proteção ou com proteção inadequada

Tipo(s) de ferimento(s):
Abrasão
Contusão
Piora de condição de saúde preexistente

Nível de experiência dos envolvidos:
Pouca (menos de 1 ano)

Relato:
Escalador A, após alcançar o cume, passa a corda em dois pinos para rapelar até o chão. Usando uma corda de 70m, achou que seria o suficiente para descer o rapel inteiro. Não faz o nó nas pontas da corda. A corda não tem marca no meio, então olha para baixo para se certificar de que está meiada e chegando ao chão. Se confunde ou não percebe (não sabe dizer o que aconteceu) que a corda não está meiada adequadamente, e uma ponta está bem mais baixa que a outra. Faz o rapel sem back-up. Não olha para o resto da corda (que está abaixo) durante momento nenhum do rapel. A aproximadamente 2 metros do chão, uma das pontas da corda passa pelo freio e o escalador cai de costas. Está com uma mochila e isto o protege um pouco. Após cair, rola um pouco um pequeno declive com algumas rochas, onde bate o ombro esquerdo, a cabeça e o joelho esquerdo, se machucando levemente.

Prevenção (opinião do relator):
Nó nas duas pontas da corda, marcar o meio da corda, olhar com cuidado para a corda antes de fazer o rapel para se certificar de que as duas pontas estão no chão.

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***