Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 38

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por um dos participantes

Tipo de evento: Incidente (quase acidente)

Mês e ano: Julho  2005
Parte do dia: Tarde
Local: Caeté - MG/Pedrinha - Pedra Branca
Número total de pessoas envolvidas: 2
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Subindo (inclui guiando, segundo ou cordas fixas)

Condições atmosféricas no momento: Sol

Causa(s) imediata(s):
Queda
Falha humana ou desconhecimento de técnica

Causa(s) contribuinte(s):
Sem capacete
Equipamento ou roupa inadequados
Segurança inadequada

Tipo(s) de ferimento(s):
Abrasão
Contusão
Hemorragia

Nível de experiência dos envolvidos:
Pouca (menos de 1 ano)
Moderada (1 a 3 anos)

Relato:
Ao fim do dia estávamos escalando exaustos, decidimos então entrar em vias fáceis só pra fazer volume. O escalador 1 pediu pra entrar de Top Rope para desmontar a via e ir embora, daí numa brincadeira a corda foi puxada, desta forma, o escalador 1 já exausto entrou guiando.

Na via a distância média entre os grampos é de 5 metros, via esportiva, com regletes e vertical, e alguns platôs. Na base, o escalador 2 dava segurança, com outras pessoas na base, distraído e sentado, usando um freio ATC. O escalador 1 sofre uma queda no momento de costurar, e com corda na mão, devido ao segurança estar distraído e não usar um freio automático, a corda corre em suas mãos, causando queimadura por abrasão, este solta a corda e por sorte a camisa do segurança se embola ao freio e trava a corda.

O escalador 1 sofre uma queda de mais de 10 metros, parando de cabeça pra baixo a poucos centímetros de um platô e sem capacete, sofrendo vários ferimentos e queimaduras pela abrasão da corda devido ao mau posicionamento no momento da queda.

Prevenção (opinião do relator):
Atenção do segurança.
Usar preferencialmente GRI-GRI ou similar.
Respeitar o limites de cada um.
Conhecer estes limites.
Usar sempre capacete.
Observar sempre a posição da corda quando guiando.
Recomendações (CBME):
O uso de um freio automático (como o grigri, o SUM, o cinch) não eliminam as eventuais falhas de procedimento por parte do assegurador (eventualmente até pode potencializar !). É fundamental que o assegurador mantenha a devida atenção para a segurança, seja com a quantidade adequada de corda, seja com o devido posicionamento para receber o impacto gerado por uma queda.

Com os diâmetros cada vez menores (10mm ou até menos) para as cordas dinâmicas, é totalmente desaconselhado utilizar freios do tipo "oito" ou freios do tipo "atc simples" (sem o sulco para um melhor travamento da corda)..

Por último, o escalador que está guiando, deve posicionar-se de forma adequada para que a corda não fique entre suas pernas, pois em caso de queda, ele irá virar e bater a cabeça... e nesses casos, um capacete pode fazer toda a diferença entre um susto e algo mais grave.

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***