Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 53

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por um dos participantes

Tipo de evento: Acidente

Mês e ano: Junho  2007
Parte do dia: Manhã
Local: Rio de Janeiro - RJ/Diedro Pégaso - Babilônia - Urca
Número total de pessoas envolvidas: 2
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Subindo (inclui guiando, segundo ou cordas fixas)

Condições atmosféricas no momento: Sol

Causa(s) imediata(s):
Queda

Causa(s) contribuinte(s):
Segurança inadequada

Tipo(s) de ferimento(s):
Fratura

Nível de experiência dos envolvidos:
Moderada (1 a 3 anos)

Relato:
A cordada combinou de escalar o Diedro Pégaso, no Morro da Babilônia, em móvel.
A via possui grampos. O escalador A já havia guiado a via algumas vezes, o escalador B, não.

O escalador A iniciou a escalada e colocou a primeira proteção, um friend grande, um pouco abaixo do primeiro grampo e, ao puxar a corda para costurar, o escalador B não deu corda suficiente. O escalador A puxou a corda mais uma vez e esperou o escalador B liberar mais.
Com esse movimento a costura entrou no diedro. O escalador A pegou a costura e quando foi puxar a corda novamente, seu pé direito, que estava em uma parte mais lisa da rocha, onde fica o crux da via, escorregou.

O escalador A caiu, quicou em um pequeno platô e foi jogado na base.

Ao verificar que não conseguia apoiar um dos pés no chão, sem sentir muita dor na região da bacia, o escalador A foi ajudado pelo escalador B pela trilha, até a praça na Praia Vermelha, onde estava a moto com a qual haviam chegado ali.

Depois de uma peregrinação por alguns hospitais, verificou-se que o escalador B havia fraturado o ísquio. Sua recuperação demorou cerca de 3 meses.

Prevenção (opinião do relator):
A verificação mútua e boa comunicação para que não haja dúvidas nos procedimentos desde o início até o final da escalada.
Faltou ao escalador A orientar o escalador B sobre a forma de segurança no início da via.
Faltou ao escalador B verificar a quantidade de corda necessária para o escalador A costurar logo na primeira proteção.

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***