Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 6

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por uma testemunha

Tipo de evento: Acidente

Mês e ano: Março  2010
Parte do dia: Manhã
Local: Rio de Janeiro - RJ/Pão de Açúcar, face Sul, via Coringa, primeira enfiada
Número total de pessoas envolvidas: 2
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Subindo (inclui guiando, segundo ou cordas fixas)

Condições atmosféricas no momento: Sol

Causa(s) imediata(s):
Queda
Falha humana ou desconhecimento de técnica

Causa(s) contribuinte(s):
Segurança inadequada

Tipo(s) de ferimento(s):
Abrasão
Contusão

Nível de experiência dos envolvidos:
Pouca (menos de 1 ano)

Relato:
O guia e o participante estavam há algum tempo sem escalar. O guia fez a primeira enfiada da via Coringa sem problemas e montou a segurança do participante. O participante começou a escalar e após ter escalado uns 20m, caiu (no lance pra dominar a barriga). Porém, ao invés do guia travar a queda, o participante continuou caindo um total de quase 15m, parando quase na base da via. O guia relatou mais tarde que se confundiu ao dar segurança com o nó UIAA, e por alguns instantes, "virou" o nó e estava "dando corda" ao invés de retesar a corda do participante. Quando o guia se deu conta do erro, começou a retesar corda, porém nesse instante o participante caiu. O participante teve somente escoriações leves.

Prevenção (opinião do relator):
Domínio dos procedimentos básicos, mais atenção e especialmente, atenção redobrada após um tempo sem escalar.
Recomendações (CBME):
1. Reservar a técnica de segurança com nó UIAA para situações de emergência - perda de equipamemto durante a escalada, etc.
2. Prefira usar equipamento específico para segurança: ATC, oito, Gri-gri, etc.
3. Domínio da técnica de segurança com nó UIAA é essencial para situações de necessidade e sua prática deve ser incluída numa agenda pessoal de revisão de procedimentos básicos por cada escalador, haja visto ser uma técnica muito fácil de ser esquecida ou usada erroneamente, apesar de ser muito simples.

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***