Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 65

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito por um dos participantes

Tipo de evento: Incidente (quase acidente)

Mês e ano: Dezembro  2013
Parte do dia: Tarde
Local: Andradas - MG/Pedra do Pantano
Número total de pessoas envolvidas: 2
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)

Etapa da atividade: Descendo (inclui rapel)

Condições atmosféricas no momento: Nublado

Causa(s) imediata(s):
Comportamento de risco

Causa(s) contribuinte(s):
Abelhas

Tipo(s) de ferimento(s):
Psicológico

Nível de experiência dos envolvidos:
Moderada (1 a 3 anos)

Relato:
Escaladores A (eu) e B estavam escalando a via Nirvana na Pedra do Pântano. Como consta no guia, a via é escalada por uma linha mais à direita da pedra (oeste) e o rapel deve ser feito por uma outra linha bem mais à esquerda, passando por dois grampos "P" amarelos. Por causa das más condições do tempo, decidimos iniciar o rapel sem completar a última enfiada da via. A partir do ponto em que estávamos, deveríamos rapelar até os dois grampos "P" pintados em amarelo e então fazer mais dois rapéis até o chão.

Eu estava iniciando a descida do primeiro rapel com uma corda de 60 m com ATC, backup e um nó juntando as duas pontas da corda. Escalador B estava ancorado. Ao localizar os grampos P amarelos, coloquei os pés em um platô e senti uma picada no tornozelo esquerdo. Quando olhei para baixo percebi que uma quantidade enorme de abelhas saiam de um buraco de uma pedra, bem ao lado dos meus pés. Era impossível ver que naquele lugar tinham abelhas.

Eu rapidamente dei um salto para o lado e subi cerca de 15m puxando as cordas com as mãos, sem nenhum aparato de segurança (prussik, etc) até um outro platô. Não me lembro ao certo mas creio que daquele ponto não dava para simplesmente sair pendulando para o lado. O fato de a parede ser levemente positiva nesse ponto "facilitou" a subida. No platô, parei para ajustar o ATC e o backup, já que existia uma folga de uns 15 m de corda. Primeiro ajustei o backup e depois o ATC, ainda com abelhas voando ao meu redor. Ao certificar-me de que o equipamento estava OK, pendulei para o lado direito buscando encontrar a linha inicial da via Nirvana. Encontrei as chapas e desci até a parada mais abaixo, na diagonal. Nesse ponto apenas uma abelha me circundava. O escalador B então desceu e ambos fizemos um último rapel até o chão.

Prevenção (opinião do relator):

Nas condições que estava, não vi outra opção senão sair rapidamente de onde as abelhas estavam, já que a chance de eu levar muitas picadas e um acidente mais grave ocorrer era grande. Apesar de imprudente, minha reação imediata foi subir puxando a corda com as mãos mesmo e me afastar o mais rapidamente possível das abelhas (a outra opção era puxar a corda e fazer um rapel com a corda inteira até o chão mas isso implicaria em deixar o escalador B na parada e eu iria levar muitas picadas de abelha, já que elas estavam logo ali perto dos grampos. Tive muita sorte de elas não me atacarem. Não sei qual seria uma outra opção em um caso desses.

Enfim, peço a todos que tomem cuidado com as abelhas nessa região e que evitem essa parada dos grampos P amarelos na pedra do Pantano!

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***