Banco de relatos de acidentes em montanha - CBME

Relatório número 98

*** Caso você conheça as circunstâncias do episódio descrito abaixo e identifique discrepâncias por favor nos comunique***
 
Fonte do relato: Relato escrito com dados fornecidos por um dos participantes ou uma testemunha.

Tipo de evento: Incidente (quase acidente)

Mês e ano: Dezembro  2016
Parte do dia: Tarde
Local: Campos - RJ/Morro da Babilônia - Via Salomith
Número total de pessoas envolvidas: 2
Número fatalidades: 0

Tipo de ambiente: Rocha (escalada livre ou artificial)
trepa pedra de 1 grau

Etapa da atividade: Sem movimento (inclui paradas de escalada em rocha)

Condições atmosféricas no momento: Sol

Causa(s) imediata(s):
Mal Súbito

Causa(s) contribuinte(s):
Deixou a Corda

Tipo(s) de ferimento(s):
Piora de condição de saúde preexistente

Nível de experiência dos envolvidos:
Pouca (menos de 1 ano)
Experiente (mais de 3 anos)
Escalador B: nenhuma

Relato:
Hoje [eu, escalador A] tive que fazer um resgate de um amigo que foi escalar comigo [escalador B].
Então, fui escalar com dois amigos, um deles escalador e praticante de Highline [escalador C] e outro fotógrafo [escalador B].
Fomos fazer uma via Esportiva de uns 20 metros, aberta por mim há uns três anos.
o Escalador C guiou a via, se ancorou no final da mesma e passou a corda em top rope e desceu.
Logo depois foi a vez do escalador B, que fez a via em top rope e logo depois desceu e se ancorou numa proteção natural (árvore) que fica a uns 3 metros do final da Via mais à direita; ia ficar lá para tirar algumas fotos.
Já ancorado ele desceu a corda e comecei a escalar em top rope mesmo, finalizei a via e fui descendo lentamente até o seu encontro. Quando cheguei perto dele parei e comecei a conversar com ele dizendo que iria descer, puxar a corda e fazer a via guiando, para para ele tirar algumas fotos enquanto eu estivesse guiando. Foi quando de repente olhando para ele o cara apagou, desmaiou.
Só vi o [escalador C] falando lá de baixo "o cara apagou", aí gritei, "mantém minha segurança aí".
Ele ficou pendurado na ancoragem; segurei ele com uma mão, e a outra em uma agarra Grande, fiquei uns 10 segundos tentando reacordá-lo, obtive êxito e pedi para que ele ficasse em pé de novo em um pequeno platô.
Ele estava com a cara amarela e querendo apagar de novo.
O reanimei com palavras, pedindo que ele segurasse a onda enquanto eu fazia o procedimento para baixá-lo.
Foi aí que ele apagou de novo e eu o reanimei de novo, o colocando de pé novamente.
Com ele de pé, agi rapidamente: gritei para o [escalador C] se ligar na segurança, escalei até uma chapeleta que estava a um metro e meio acima de mim.
Minha solteira não dava até a chapeleta, por sorte tinha algumas costuras em meu cinto; foi então que emendei elas e me ancorei a essa chapeleta.
Ancorado, pude retirar o nó do meu cinto e rapidamente fiz uma azelha dobrada; peguei um mosquetão e clipei no loop do seu cinto.
Retirei sua ancoragem da árvore e o [escalador C] foi descendo ele lentamente em top rope, arrastando um pouco na parede no começo, mas no meio da descida ele voltou a ficar acordado e colocou os pés na parede e ajudou na descida.
Chegando ao solo, o [escalador C] o desclipou, o colocou sentado em uma pedra e pediu para se acalmar dando a ele um bombom, biscoitos e água.
Enquanto isso eu estava lá na parede pendurado. Pedi para que o [escalador C] desse uma puxada na corda; consegui alcançá-la e puxei a azelha com o mosquetão e clipei em meu Loop. O [escalador C] tirou a folga, escalei de novo e tirei a costura da chapeleta, aí desci em segurança.
Chegando lá embaixo ele já estava melhor dizendo que teve uma queda de pressão devido ao calor e que só tinha comido um sanduíche pela manhã! Com certeza foi uma crise de hipoglicemia, e ainda levou uma meia hora para se recuperar e descer a trilha com a gente.
Que situação!
Agradeço primeiramente a Deus e ao amigo [escalador C] para que obtivéssemos êxito na missão.
Obrigado Senhor por me conduzir em mais essa missão!

Recomendações (CBME):
Importante prestar atenção a alimentação e hidratação principalmente em dias muito quentes.
Manter a calma e prestar atenção aos procedimentos de segurança em situações como estas.
Informar ao parceiro de escalada sobre problemas de saude que possam afetar o estado de alerta de forma aguda.

*** Este relato foi fornecido de forma espontânea por um membro da comunidade de montanhistas e reflete sua visão do acidente e sua opinião pessoal. Apesar de fazer máximo esforço para confirmar a veracidade e exatidão dos relatos, a CBME ou seus membros não se responsabilizam por eventuais discrepâncias ou inconsistências encontradas nos relatos, ou ainda se indivíduos ou empresas se sentirem de alguma forma ofendidos ou injustiçados pelo conteúdo do relato, apesar da forma anônima de apresentação dos dados. ***